Páginas

domingo, 20 de março de 2016

{RESENHA} Cai o Pano - Agatha Christie

Hastings, já viúvo e pai de quatro filhos, viaja outra vez para Styles, agora a pedido do velho companheiro Hercule Poirot. Eles não se viam há quase um ano. O capitão sente-se nostálgico observando, pela segunda vez, a mesma paisagem que observara tantos anos atrás quando fora a Essex recuperar-se dos ferimentos adquiridos durante a guerra. Naquela época, não poderia imaginar que se envolveria na investigação de um crime ao lado de um detetive tão excêntrico como Poirot. Aquela fora a primeira aventura de muitas que ainda viveriam.

Clique aqui para ver O Misterioso Caso de Styles.

Styles não pertencia mais aos Cavendish, John já havia falecido e a mansão fora transformada em um hotel, estava mais moderna do que Hastings se lembrava. As coisas não eram mais as mesmas, tudo havia mudado. Mas algo permanecia igual: ele estava indo a Styles encontrar Poirot.

Foto: Lu Garcia

Com pesar, o capitão percebe que as mudanças não ocorreram somente ao seu redor, mas também no físico do melhor amigo e companheiro cujo entrevado pela artrite está em uma cadeira de rodas. Poirot explica a Hastings os reais motivos pelos quais chamou-o até a mansão: está perseguindo um assassino e quer sair outra vez em uma nova caçada, mas para isso precisa que o capitão seja seus olhos e ouvidos dentro de Styles. O detetive já sabe qual dos hospedes é o criminoso mas por motivos de segurança decide não compartilhar essa informação com o amigo. Essa descoberta poderá colocar a vida de ambos em perigo e Poirot precisará tomar uma atitude que vai contra os seus princípios...

Site Oficial da autora aqui.

Minha Percepção - Este é o último crime resolvido por Poirot o qual, não por acaso, tem como cenário a velha mansão Styles, onde o detetive desvendou seu primeiro mistério junto a Hastings  (e fora apresentado aos leitores). Embora a maioria dos livros de Agatha Christie sejam repletos de assassinatos e contravenções, nunca me senti mal por suas vítimas, até porque elas não eram, em geral, pessoas de boa índole e caráter. Desta vez foi diferente, esta obra me deixou muito triste. Não conseguia acreditar no que estava lendo. Com certeza os amantes das aventuras de Hercule Poirot também se sentirão assim, mas tem coisas na vida que são inevitáveis,mesmo que, de certa forma, sejam  injustas...