Páginas

segunda-feira, 9 de maio de 2016

{RESENHA} A Breve Segunda Vida de Bree Tanner - Stephenie Meyer

A jovem Bree tem vagas lembranças de sua primeira vida, da vida na qual era uma simples humana, de sua existência antes da imortalidade. Embora, com esforço, consiga obter lapsos das memórias longínquas, cruéis e injustas. Agora, sua percepção sobre o que a cerca é mais sensível, sua visão é aguçada e seus reflexos são velozes.

Clique aqui para ver Crepúsculo.

Inserida em meio a um bando de outros vampiros jovens, vive constantemente em alerta e agindo sigilosamente para não chamar a atenção deles. É puro instinto de autopreservação. Ser um vampiro ainda é uma incógnita para ela. Tudo aquilo que Riley os ensinara como verdade absoluta começa a cair por terra, entra em contradição. Com exceção dela, Diego e Fred, o grupo é estupido demais para se dar conta de que estão sendo manipulados como marionetes ou peões em um jogo que não é deles.
Foto: Lu Garcia

Clique aqui para ver Eclipse.

Ela sabe que o objetivo de Riley ao criar o exército de recém-criados é atacar um clã de vampiros perigosos de olhos amarelos. Mas isso não faz sentido para Bree, as peças não se encaixam, provavelmente há mais por trás dos interesses de quem os criara que não foi revelado. Sua confusão aumenta ainda mais quando ela conhece os tal clã, os Cullen, e não entende como aquela família suporta a proximidade com uma humana com tanto autocontrole. Será possível uma vida diferente daquela violenta que ela aprendeu a levar em Seattle?

Clique aqui para ver Amanhecer.

Minha Percepção - Como já se sabe, esta é a história de Bree Tanner em Eclipse. Ela é uma das vampiras recém-criadas para compor o exercito de Victoria em sua vingança contra Bella pela morte de James. A experiência em lê-lo fora um tanto curiosa e estranha, isso porque temos consciência de seu desfecho final. Não é surpresa o que acontece com ela, inclusive pelo titulo sugestivo, não?

Mesmo sabendo o ponto em que acaba a segunda vida de Bree, foi impossível não pensar em como sua vida teria sido diferente "se"... ou torcer para que ela mudasse o curso de sua trajetória a fim de sobreviver às mentiras de Riley, embora tivesse certeza de que isso não ocorreria. Além de ser realmente triste saber que nunca terá a oportunidade de desfrutar uma vida civilizada como a dos Cullen e de nunca descobrir as respostas para suas dúvidas.

Este exemplar de Stephenie Meyer é pequeno - 190 páginas - e inteiro, quer dizer, sem capítulos ou pausas. É uma narração corrida. A leitura flui rápida e naturalmente, tanto que o fiz em uma tarde.