Páginas

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

{RESENHA} Um Estudo em Vermelho - Arthur Conan Doyle

John Watson, oficial médico do Exército britânico, fora baleado na batalha de Maiwand e, conseguindo permissão do governo para se recuperar, decide ir para Londres onde conhece o incomum Sherlock Holmes, um excelente químico com conhecimentos avançados em anatomia, mesmo que não curse e nem tenha a pretensão de se aperfeiçoar em medicina. A curiosidade de Watson aumenta ainda mais quando muda-se para a famosa rua Baker Street com a finalidade de dividir as despesas com Holmes.

Foto: Lu Garcia

Aos olhos do médico, o companheiro possuí hábitos excêntricos e até mesmo exagerados como, por exemplo, fazer longas caminhadas com o propósito de reconhecer a lama correspondente a cada região da cidade ou permanecer no sofá da sala em silêncio por dias inteiros. Além disso, Holmes recebe constantes visitas  de pessoas de todo tipo e classe social sob o título de clientes... Watson entende a situação quando finalmente descobre que o colega é um detetive-consultor.

O detetive recebe uma correspondência de Gregson, investigador da Scotland Yard, relatando que um cadáver, sem sinais de violência, fora encontrado em uma casa abandonada. Juntos, os companheiros partem em busca de respostas que solucionem o enigma. É com muita inteligência, observação e, principalmente, humor que Sherlock Holmes desata cada nó desta história cujo tem seu inicio fatídico há 20 anos em meio a uma comunidade mórmon.

Minha Percepção - O livro é dividido em duas partes, a primeira conta os infortúnios vividos por Watson na guerra, as circunstâncias que o levam a conhecer Holmes até a apresentação do crime. A segunda parte, inicia em um deserto onde um homem está morrendo de fome e sede junto com uma menininha de 5 anos, os dois são salvos por caravanas de pessoas denominadas os Santos dos Últimos Dias. A única condição para o salvamento é que ambos se convertam a esta religião e nunca desobedeçam as ordens dos Quatro Sagrados, mas o despotismo chega a um ponto insuportável e inaceitável e eles desobedecem... é aqui que começamos a compreender o que motivou o assassinato: uma vingança.

Sou suspeita para falar de romances policiais, como os do Sir. Arthur Conan Doyle e de Agatha Christie, por que simplesmente amo este tipo de literatura e, em especial, estes escritores. Um Estudo em Vermelho já li três vezes... É uma narração gostosa de ler, com ortografia perfeita (tanto que em certas partes preciso passar varias vezes a mesma frase para ter certeza que entendi o que ela diz). O autor apresenta-nos um crime enigmático, aparentemente sem solução e lá vem ele, Sherlock Holmes, esfregar na nossa cara a simplicidade da situação... Falando nisso, adoro as partes em que o Watson fica P*** com o exibicionismo do detetive, aliás o médico e ex-combatente representa todos nós que nunca acertamos quem é o culpado pelo crime... E já estava esquecendo de mencionar que nesta obra  o nome do detetive surge pela primeira vez, um personagem que faria tanto sucesso que superaria a fama de seu criador.