segunda-feira, 10 de julho de 2017

{RESENHA} Hush, Hush: Crescendo - Becca Fitzpatrick

Tudo está normal na vida de Nora, não no nível que costumava ser antes de conhecer Patch, mas considerando suas últimas experiências pode-se dizer que sim. Ele agora é um anjo da guarda, sendo uma de suas tarefas proteger a garota. Mesmo assim, as coisas não estão tão boas como parecem, uma vez que os arcanjos não confiam no ex-anjo caído e pretendem vigiá-lo de perto para castigá-lo no menor deslize. Preciso dizer que o envolvimento romântico dos dois é algo expressamente proibido e passível de punição?

Clique aqui para ver Sussurro.

Logo, bastam duas coisas para abalar a felicidade de Nora: a reação pouco reciproca de Patch quando ela se declara para ele; e Marcie Millar com sua língua venenosa. Já para Vee as coisas estão indo muito bem, principalmente agora que está saindo com Rixom (pois é, o melhor amigo de Patch e também anjo caído). Ou seja, tudo perfeito: eles são companheiros de longa data e elas best friends forever... Só que não! Pois as brigas entre Nora e seu anjo da guarda estão cada vez mais constantes, tudo pela insegurança alimentada pela repentina aproximação dele com Marcie. Qual é a do garoto afinal??

Foto: Lu Garcia

Como nada é tão ruim que não pode piorar ainda mais, ressurge na vida de Nora um colega dos tempos da infância que adorava atormentá-la chamado Scott Parnell, o inconveniente é a mãe dela armando um jantar para aproximá-los com a expectativa de os tornar um casal (já que ela detesta Patch). O que Blythe não imagina é que o misteriosos rapaz sabe mais do que diz sobre a morte de seu marido, o pai de Nora. Fato é que a distância entre a garota e Patch representa um perigo iminente, pois há quem ambiciona por isso, uma vez que sem a vigilância de seu anjo da guarda ela se torna presa fácil e desprotegida, quem a quer é o responsável pelo assassinato de Harrison Grey.

Minha Percepção - Crescendo é o segundo título da série Hush, Hush, cuja trama é melhor construída e apresentada em comparação ao primeiro volume. No entanto, mantenho a impressão de que não passa de uma "leitura pela leitura" (e isso não é ruim), quero dizer, não há grandes reflexões que possam ser aproveitadas em nossas ações cotidianas. Na verdade, neste livro consegui vislumbrar um pouco de preconceito imbuído em alguns diálogos, embora sutilmente abordado, onde nefilins detestam os anjos caídos (não é para menos) e vice-versa, como se a condição definisse o caráter do ser. Patch e Scott representam cada time, têm seus defeitos como todos temos e isso não os faz vilões, de modo algum.

Novamente, as melhores partes do enredo para mim foram o prólogo (que mostra uma situação vivida pelo pai de Nora e que me fez acreditar que ele estava vivo, se escondendo de algo) e o final de arrancar o fôlego (onde Nora finalmente conhece o Mão Negra). Devo acrescentar que este volume traz a tona a misteriosa morte de Harrison Grey, revelando o(s) culpado(s) e suas motivações. Além disso, dois personagens se destacam aqui: a metidinha da Marcie, irritante e superficial como sempre, se agarrando em Patch, infernizando Nora e aparecendo nos locais mais inusitados para uma filhinha de papai; o outro é Rixom que se aproxima de Vee e está em várias cenas também.